Rationality, Belief, Desire II – From cognitive science to philosophy (2005-2008)

The main aim of this project is to understand the difference between the stances of cognitive science and philosophy in approaching the nature of mind. We will try to do that by focusing on attempts to develop a theory of rationality, both within philosophy and cognitive science. Like in the group´s former project (RBD1, R&D Unit 502 sub-project), we take a theory of rationality to include (i) a description or characterization of the factors at play on occasions when agents move from certain beliefs to others, add or eliminate beliefs from their corpus of beliefs, or opt for a course of action from several alternatives, based on a set of beliefs and desires; (ii) a set of hypotheses about the way we decide about correctness criteria when we talk of justifiedness or rationality of beliefs and actions; (iii) a set of hypotheses about the reasons why we want to know (if indeed we do) if our beliefs are true and our reasoning and actions rational. While in project RBD 1 we focused on agents’ motivation for action, conceived both from the point of view of philosophy and cognitive science, our interest now lies in the relation between philosophy and cognitive science itself. We believe that a theory of rationality should have research in cognitive science (namely studies of reasoning, decision, emotion, theory of mind) as its starting point, yet should not be identified with that research. To defend this thesis we intend to select specific problems (concerning reasoning, decision, emotion, theory of mind) and compare specific approaches to those problems in cognitive science and in philosophy. In trying to make the relations and the differences between scientific studies of cognition and philosophy explicit, we will look for the work of philosophers such as D. Davidson, D. Dennett and J. Fodor as guidance.

Project ID: POCI/FIL/55555/2004

Principal Investigator: Sofia Miguens

 

Racionalidade, Desejo, Crença II – Da ciência cognitiva à filosofia

O objectivo principal deste Projecto é compreender a diferença entre as abordagens da natureza da mente feitas na ciência cognitiva e na filosofia. Para isso, tomaremos como referência tentativas, levadas a cabo na ciência cognitiva e na filosofia, de desenvolver uma teoria da racionalidade. Entendemos que uma teoria da racionalidade envolve (i) uma descrição ou caracterização dos factores em jogo nas ocasiões em que agentes passam de determinadas crenças para outras crenças, adicionam ou eliminam crenças do seu corpo de crenças, ou optam, a partir de um conjunto de crenças e desejos, por um curso de acção por entre várias alternativas, (ii) um conjunto de hipóteses acerca da forma como decidimos entre critérios de correcção quando falamos da justificação ou racionalidade de crenças e acções, (iii) um conjunto de hipóteses acerca das razões por que queremos saber (se de facto queremos) se as nossas crenças são verdadeiras e os nossos raciocínios e acções racionais.
Enquanto no Projecto RBD 1 o foco do nosso interesse foi a motivação dos agentes para a acção, concebida esta quer do ponto de vista da ciência cognitiva quer da filosofia, o nosso interesse reside agora na própria relação entre filosofia e ciência cognitiva. Pensamos que uma teoria da racionalidade deve ter como ponto de partida a investigação em ciência cognitiva (nomeadamente estudos acerca de raciocínio, decisão, emoções e teoria da mente) mas não pode identificar-se com essa investigação. Para defender esta tese, pretendemos seleccionar problemas específicos (respeitantes a raciocínio, decisão, emoções e teoria da mente) e comparar abordagens desses problemas na ciência cognitiva e na filosofia. Na nossa tentativa de tornar explícitas relações e diferenças entre estudos científicos da cognição e filosofia, que virá também a permitir-nos caracterizar a agenda da filosofia da ciência cognitiva, guiar-nos-emos pelo trabalho de autores como D. Davidson, D. Dennett and J. Fodor.

Código do projecto: POCI/FIL/55555/2004

Investigadora Responsável: Sofia Miguens